Quanto custa um projeto de software?

Publicado: 20/08/2007 em Artigos

Por Eduardo Miranda

O custo de um projeto de software geralmente é calculado pela quantidade de horas de trabalho gastas. Durante algum tempo eu fiz o meio de campo entre fornecedores de software e clientes/usuários finais e esta sempre foi a forma de cálculo utilizada pelos clientes.

Fonte: Console.Write (this.Opinion)

Portanto, dado o escopo, se um fornecedor A apresentava um prazo menor que o outro B, o cliente (neste caso o gerente que estava contratando o projeto) tentava baixar o preço de A e/ou diminuir o tempo de entrega de B (com mais uma rodada de corte preços, é claro!). O argumento era: Mas se você refez o seus cálculos e chegou a conclusão que me entrega em menos tempo, quer dizer que você vai usar menos horas! Não adiantava jogar o argumento de que precisava de mais recursos para fazer o mesmo escopo em um prazo menor.

Agora se o fornecedor entregasse um project com a proposta, ai estava lascado! Você tem certeza de que precisa de um arquiteto durante todo o projeto? 253 horas para testes não é muito? Não pode ser 235? Esta tarefa é realmente dependente desta? Não dá para começar a implantação dois dias antes do final da implementação? Coisa de louco!!

O pior é 99% dos fornecedores entra na polêmica e perde um ponto fundamental na discussão: Quanto mais rápido o cliente começar utilizar software, melhor.

Atualmente todo projeto de software tem uma justificativa financeira por trás. A utilização deste novo software ou vai aumentar receita ou vai cortar receitas, não existe outra forma de um investimento ser aprovado em uma empresa. Por isto se o fornecedor for capaz de entregar 2 meses antes do previsto, o plano de negócios do projeto fica ainda melhor. Como sempre: time is money.

Por tudo isto, o fornecedor que entrega mais rápido deve cobrar mais caro! E o cliente deveria pagar bônus para o fornecedor que entregasse antes do prazo e não ficar analisando as planilhas de horas para justificar um preço “melhor”.

Não me pergunte como fazer isto porque não tenho experiência na venda de projetos e não trabalho com isto. Mas acredito que este tipo de argumento pode ser utilizada na defesa dos princípios ágeis, pois aplicando-os o fornecedor é capaz de entregar valor agregado ao cliente mais rápido do que os concorrentes.

São apenas idéias a se pensar…

Eduardo Miranda é Software Development Engineer da Microsoft e atualmente trabalha no time de desenvolvimento do Dynamics AX no Brasil.

Link: Console.Write (this.Opinion) – 24/04/2007

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s